Doação

TRANSBORDANDO

Postado em

Ando inebriada

De ideias servis

Lotada

De pensamentos bons, febris

Vontade de doar

Percebo-me sorridente

Ao cofre espreitar

Porco gordo ricamente

Com estômago de moedas

Quero quebrá-lo

Para dar ao mundo, consertadas.

Destruir para uni-lo

Rasgar para emendar

Cortar para cerzir

É contagiante

Eletrizante

Explosivo

O tempo passa

A vontade aumenta

Quase transborda

Como água que pinga da torneira

Vagarosamente

Enchendo o copo na pia

Assim como o porco

Engordando com moedas.

 

Simone Possas Fontana

(escritora gaúcha de Rio Grande-RS,

membro da Academia de Letras do Brasil/MS, ocupando a cadeira 18,

membro correspondente da Academia Riograndina de Letras,

membro da UBE/MS – União Brasileira de Escritores,

autora dos livros MOSAICO, A MULHER QUE RI e PCC,

graduada em Letras pela UCDB,

pós-graduada em Literatura,

contista da Revista Cultura do Mundo,

blog: simonepossasfontana.wordpress.com)

Anúncios

MINHA CONVERSA COM GABI

Postado em

criança balançando 1

– Toc, toc, toc.

– Pode entrar Gabi. Estou na cozinha.

Gabi é uma menininha muito esperta, filha da vizinha e que está acostumada a bater na minha porta, antes de sair para a escola. Entra correndo em direção à cadeira onde estou sentada.

Tia! Óia o que eu touce pala a senhola! – diz sorridente na linguagem das crianças, sacudindo uma nota de R$ 10,00. – É da minha mesada. Quelo ajudá na campanha da manicule.

Abri os braços e dei-lhe um abraço bem apertado e demorado.

Tia, a senhola tá tisti?

mulher aflita

– Não querida. Só pensativa.

Mas o olho tá tisti. – insiste ela.

– Não pequena. É que entrou um cisco no meu olho.

A senhola vai quelê? É pouco?

– Claro que vou aceitar, Gabi. Com muita honra! Não é pouco não!

Mas ainda acho que a senhola tá tisti.

– Não docinho! Estou pensando na vida… Pensando em quantas pessoas boas existem no mundo, iguais a você… Quantas pessoas ricas… Quantas pessoas necessitadas… Muita diferença e muita INdiferença!

mulher chorando 1

E é claro que vou aceitar seu din-din! E sabe por quê?

Primeiro porque você me deixou muito feliz com sua doação e a respeito muito. Pode ter certeza que a Valéria vai ficar contente quando contar para ela.

Em segundo lugar, porque preciso somente de R$ 800,00. Então preciso de apenas 80 pessoas que doem R$ 10,00 como você fez! Parece fácil, né?… Mas não é nada fácil conseguir 80 amigos entre meus 519 contatos da internet.

Em terceiro lugar porque essa doação vai fazer você se sentir muito bem… Vai deixá-la alegre… Mais leve… Não é verdade? – pergunto encostando meu dedo indicador em seu coraçãozinho.

Calo tia. To muito faceila em ajudá a Valélia. – diz timidamente.

sorriso

– Então… Em quarto e último lugar aceito para que esse seu gesto de amor se torne um hábito na sua vida! Assim, você nunca mais vai querer de parar de ajudar as pessoas que precisam. Fazendo essa corrente do bem, talvez consigamos diminuir o egoísmo no mundo.

– Ego… O quê, tia?

– Egoísmo, minha pequena, mas isso é assunto de adulto. Não quero que você se preocupe, tá?

Hã hã. Entendi tia. Agola tenho escolinha. Ouví balulo na póta. Minha mãe tá me espelando. – diz beijando-me no rosto e saindo correndo.

correr

Ao chegar à porta da saída, voltou correndo até a cadeira onde eu estava cabisbaixa, colocou uma mãozinha gorducha no meu joelho, com a outra levantou meu queixo, olhou bem nos meus olhos e disse:

Tia, Deus tá vendo tudo o que a senhola tá fazendo.

Deu-me outro beijo e saiu saltitante porta a fora.

Ai. Caiu outro cisco no meu olho…

choro

Simone Possas Fontana

(escritora gaúcha de Rio Grande-RS,

membro da Academia de Letras do Brasil/MS, ocupando a cadeira 18,

membro correspondente da Academia Riograndina de Letras,

membro da UBE/MS – União Brasileira de Escritores,

autora dos livros MOSAICO, A MULHER QUE RI e PCC,

graduada em Letras pela UCDB,

pós-graduada em Literatura,

contista da Revista Cultura do Mundo,

blog: simonepossasfontana.wordpress.com)

eu-e-o-livro.jpg

 

DESABAFO

Postado em

mulher dor

            Na sexta-feira já estava triste com a situação que certas pessoas passam… Sentindo-me apática por não poder ajudar… E decepcionada com o universo!!!

            O final de semana chegou e permanecia pensativa e com raiva de mim e do mundo: – Que ódio! Porque enquanto uns são milionários outros são tão paupérrimos?  Porque enquanto uns se esbaldam em jantares exóticos com comidas que nem sei pronunciar o nome correto, outros tem de ficar em fila do bandejão aguardando comida doada por irmãos solidários? Porque enquanto uns se embriagam em festas com excesso de uísque importado, outros nem água têm para beber? Porque enquanto uns se vestem com roupas de grifes famosas e caríssimas, outros se utilizam de farrapos? Porque essas diferenças tão grandes e tão cruéis?

consciência

            Quanto mais pensava, mais me martirizava e, consequentemente, mais ficava indignada e triste: – Isso não está certo!!!!

            Desde pequena aprendi que os extremos e o excesso não fazem bem. Tem que ser meio termo. Assim vivi. Assim me criei e concordo com esse tipo de pensamento e de vivência! Nem oito e nem oitenta! Na média. No equilíbrio das coisas! Nem tão quente e nem tão frio: morno. Nem tão baixo e nem tão alto: médio. E assim por diante.

            Aprendi que devemos manter em equilíbrio: o físico (corpo), o emocional e a mente (alma).

            Ah se esse equilíbrio acontecesse na sociedade! É essa diferença social que me incomoda e me faz sofrer! Fico com essa dor por dois motivos: primeiro por saber da existência desse desequilíbrio desumano e o segundo motivo (o mais forte deles) é por não poder ajudar; sinto-me impotente perante essas desigualdades!

mulher chorando 1

           

            Falando mais claramente, estou triste porque criei uma campanha para ajudar uma moça que está em dificuldades financeiras, mas o retorno está sendo devagar, baixo e nem sei se vamos alcançar a meta!

            Achei que seria rápido e fácil; que as pessoas abririam seus corações (e carteiras); que TODOS doariam um POUCO! Assim certamente atingiríamos o objetivo sem aflição e angústia.

            Estou decepcionada com a humanidade.

            A tristeza foi minimizada ouvindo as sábias palavras do mestre padre Afonso de Castro: perseverança e gratidão. CLARO! É ISSO MESMO! Não devo deixar me abater se estou desapontada com o pouco retorno obtido. Devo ser grata por ter condições de puxar a frente esta campanha! Devo ser grata às pessoas que estão me incentivando! Devo ser grata às pessoas que já depositaram!

dinheiro

           

            Aprendi também que devo persistir na campanha e continuar pedindo colaboração financeira das pessoas.

            Com essa perseverança poderei tornar-me importuna, mas não quero causar aborrecimentos! Se eu encher sua caixa de e-mail, Facebook, Messenger, Watzap, por gentileza, não fale mal! A causa é boa!

            Se não puder ajudar, simplesmente ignore minha mensagem. Passe para a próxima. Vá dar uma espiada nos preços de carros, em passagens aéreas, em hotéis, em praias para as férias! Afinal, o verão está próximo e ninguém é de ferro! Saia do vuco-vuco do dia a dia e leve sua família!

bar praia

           

            Você merece! E quando estiver confortavelmente instalado em frente ao mar ou piscina, refrescando-se com uma cervejinha ou refrigerante, pense com carinho:

            – Que vidão! Que coisa boa! Que beleza! E se eu tivesse colaborado com a campanha daquela chata da Simone?… Poderia ter depositado qualquer 10 ou 20 reais?… Sim! Poderia! Estaria mais pobre por isso?… Não! Não estaria! Estaria curtindo essas férias?… Sim! Estaria! Estaria mais feliz?… SIM. CLARO QUE SIM!

            É certo afirmar que às vezes pode ocorrer de não estarmos numa fase boa momentaneamente e, mesmo querendo, não podemos ajudar. Afirmo que reconheço e entendo isso! As pessoas têm seus próprios problemas para resolverem! Porque farão depósito para a Campanha AJUDE A MANICURE VALÉRIA, se podem ajudar suas próprias famílias? Porque auxiliar uma desconhecida se podem auxiliar uma pessoa mais próxima?

ajuda-1

           

            Existe alternativa para contribuir, que não seja fazendo doação através do site: – basta marcar um horário no salão (3382-3311 Campo Grande) onde a manicure Valéria trabalha. Quanto mais clientes tiver, mais rápido conseguirá quitar sua dívida.           

            Vamos que vamos! A campanha continua minha gente! Ajudem-me a ajudar Valéria a quitar sua dívida com a Energisa!

            Para mim, ajudar não é um fardo. É uma honra!

           Fico muito mais tranquila sabendo que dá para amenizar a dor dos menos favorecidos com ajuda humanitária, doações de roupas, calçados, cobertores, comida, etc. 

           Nem tudo está perdido. Feliz novamente!

mulher feliz1

https://t.co/DieXXXf8WS

Simone Possas Fontana

(escritora gaúcha de Rio Grande-RS,

membro da Academia de Letras do Brasil/MS, ocupando a cadeira 18,

membro correspondente da Academia Riograndina de Letras,

membro da UBE/MS – União Brasileira de Escritores,

autora dos livros MOSAICO, A MULHER QUE RI e PCC,

graduada em Letras pela UCDB,

pós-graduada em Literatura,

contista da Revista Cultura do Mundo,

blog: simonepossasfontana.wordpress.com)

Simone