ESPÍRITO NATALINO

Postado em Atualizado em

Espírito Natalino

 (Nota: Crônica escrita nos meus dezoito aninhos de vida!)

 Avenida Mato Grosso

      Avenida Mato Grosso. Campo Grande-MS. 24 de dezembro de 1984. Tinha dezoito anos e sai de casa cedinho para ir trabalhar. Atravessei o pátio com três ou quatro passadas, chegando ao muro alto e abri o portão. Do lado de fora, deparei-me com duas crianças sentadas no chão e encostadas no muro de minha casa. Tinham cerca de sete ou oito anos cada uma. Estavam sujas, maltrapilhas, magras e com fome.

      Naquele instante meu primeiro pensamento foi: “- Se eu parar para ajudar essas crianças, perderei minha carona e chegarei atrasada ao serviço.” Assim que saí e fechei o portão da rua, falaram-me:

      – Tia, estamos com fome! Tem um dinheirinho aí?

      Olhei para aquelas carinhas tristes e respondi penosamente:

      – Oi. Não tenho dinheiro para ajudar vocês. Sinto muito. Terá que ficar para outro dia.

      Virei às costas e saí andando pela calçada a fim de pegar minha carona. Caminhei até a esquina com uma angústia que apertava meu coração. Não aguentei. Retornei.

      – Crianças! Vou abrir o portão. Podem entrar aqui no pátio. Vou preparar um lanche gostoso para vocês.

      Enquanto esperavam no pátio, corri até a cozinha e fiz dois sanduíches apetitosos, como se estivesse preparando para mim mesma: abri o pão novinho e crocante que meu pai tinha acabado de comprar na padaria do bairro, coloquei bastante margarina, presunto e queijo prato.

Estava radiante. Meus olhos brilhavam de alegria por poder ajudar alguém!

      Entreguei os lanches e se dirigiram comigo até o lado de fora do portão. Fui trabalhar muito feliz por ter feito uma boa ação. Fiquei no serviço apenas até às onze horas porque meu chefe dispensou todos para o Natal. Corri para casa a fim de contar ao meu pai o que havia acontecido cedinho.

      Quando cheguei em casa, na calçada em frente ao portão, encontrei os pães jogados no chão! Fiquei muito decepcionada! Choro de raiva ou de tristeza?

      – Puxa vida! Fiz os lanches com todo carinho e elas fizeram isso comigo! Comeram apenas o presunto e o queijo! – esbravejei.

      Meu pai percebendo minha indignação veio conversar:

      – Mone, entendo que esteja chateada, mas pensa um pouquinho: você queria fazer uma boa ação? Dar um lanche às crianças? Fazê-las felizes nem que fosse por alguns instantes? Você conseguiu! Então, minha filha, não se aborreça se elas não deram valor a sua boa ação!

      – Tudo bem, pai. Entendo e fico mais tranquila. – respondi levantando a cabeça depois de pensar um pouco.

      – E tem mais: sugiro que as boas ações não fiquem restritas apenas ao período próximo ao Natal, mas que elas se prolonguem por todos os dias do ano! Que tal? Gostou dessa proposta? – indagou.

      Respirei aliviada e sorrindo, pois aprendi que devo doar sem esperar recompensa e agradecimento.

      E você? Já fez sua boa ação de hoje?

 

Simone Possas Fontana

Membro correspondente da

Academia Riograndina de Letras

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s